terça-feira, 14 de outubro de 2014

Ritual e Sagrado...Teatro

A arte da representação ou Teatro é algo tão antigo quanto a própria humanidade. Os estudiosos sobre o assunto não tem um consenso a respeito do surgimento do teatro mas podemos apresentar algumas ideias a respeito disso. 

A expressão de sentimentos, bem como a comunicação podem ter sido a mola propulsora da invenção do Teatro, assim para podermos conhecer e entender um pouco mais sobre a utilidade ou função do Teatro, faremos uma pequena visita a alguns momentos da história, verificando as diferentes funções que lhe foram atribuídas. 

Nossos antepassados, conhecidos como “homens pré-históricos”, já praticavam ritos em que faziam representações cênicas com função mágica e narrativa. 
Utilizavam-se de elementos musicais, movimentos corporais e pinturas. 

Desta forma, o Teatro surgiu com o próprio homem, assim como a dança, a música e a pintura, usadas em seus rituais para a caça, em louvor aos seus deuses e para contar histórias. 

Já nessa época, utilizava-se o artifício de fingir ser outro indivíduo ou outra pessoa, que vivia outra vida e agia representando acontecimentos que faziam parte de seu cotidiano.

A função decisiva da arte neste período foi a de conferir poder sobre a natureza, sobre os inimigos, sobre os parceiros, sobre a realidade, enfim, poder no sentido de um fortalecimento da coletividade humana. 

Já tentou imaginar como era a vida de nossos antepassados pré históricos? 
Como viviam em sociedade, caçavam, criavam seus filhos e enfrentavam os seus medos e angústias? 

Num ambiente perigoso e desconhecido, abrigando-se em cavernas, nossos parentes distantes reuniam-se ao redor de uma fogueira, no fim de um dia difícil, contando suas aventuras numa terra hostil. 

E sabe como é, uma história puxa a outra, e vai surgindo a necessidade de mostrar como se agiu em determinado momento e como tal pessoa ou animal agiu em outro.

Pronto! Já está caracterizado o fenômeno teatral, pois o teatro existe quando temos: 

> Uma pessoa que finja ser algo ou alguém: personagem. 
> Uma história ou uma ação para ser representada: ação. 
> Um determinado espaço (lugar ocupado durante a ação): espaço. 
> Alguém que veja ou assista essa representação: espectador. 

Porém, nessa época, ainda não havia a divisão entre atores e espectadores, ou seja, todos participavam do ritual e o lugar que faziam era comunitário, não era chamado de palco ou teatro, formas estas, que permanecem ainda hoje em certas manifestações populares, rituais, festas, comemorações, entre outras. 

A origem do teatro no Brasil

O teatro brasileiro teve sua origem no século XVI, em 1564, quando o Brasil passou a ser colônia de Portugal. Os padres da chamada companhia de Jesus, os Jesuítas, vieram para catequizar os índios, e com isso trouxeram suas influências culturais como a literatura e o teatro. Este então foi usado como instrumento pedagógico, em princípio para a educação religiosa, já que os índios tinham uma tendência natural para a música e a dança, e sendo assim os Jesuítas se utilizaram de elementos da cultura indígena e perceberam no teatro o método mais eficaz como instrumento de "civilização"

Pelo fascínio da imagem representativa, o teatro era muito mais eficaz do que um sermão,por exemplo. Nota-se, portanto, que a origem do teatro no Brasil é religiosa, assim como boa parte das manifestações culturais. Nessa época o Padre Anchieta era o responsável pela autoria das peças,ele escreveu alguns Autos como "Na festa de São Lourenço", também conhecido como "Mistério de Jesus", e o "Auto da Pregação Universal", escrito entre 1567 e 1570, e representado em várias regiões do Brasil, por vários anos.

No entanto, o principal objetivo era a catequese, por isso com esses elementos também estavam os dogmas da Igreja Católica . Sendo assim, as comédias e tragédias eram pouco representadas. A opção ficava com os autos sacramentais, que tinham caráter dramático, e, portanto, estavam impregnadas de características religiosas.

Até 1584 as peças eram escritas em tupi, português ou espanhol, quando então surgiu o latim. Os autos tinham sempre um fundo religioso, moral e didático, representados por personagens de demônios, santos, imperadores e algumas vezes apenas simbolismos, como o amor ou o temor a Deus. Os atores eram os índios domesticados, os futuros padres, os brancos e os mamelucos. Todos amadores, que atuavam de improviso nas peças apresentadas nas Igrejas, nas praças e nos colégios.
(Fonte:PDF)

2 comentários:

  1. Oi Mauro

    Que interessante este texto.

    Sempre a igreja. A igreja é a protagonista da globalização, em cada conquista lá estava ela, a primeira a difundir a educação, a primeira a difundir a arte, a um certo tempo os colonizadores eram expulsos, mas a igreja sempre permanecia. É este o motivo pelo qual se combate tanto a igreja hoje. Enquanto os valores cristãos permanecerem não há como perverter uma sociedade, do contrário, na falta deles a vulnerabilidade se instala.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. A permanência da educação religiosa em áreas conquistadas e administradas por países europeus na América, foram de uma importância fundamental, principalmente na questão de entendimento e inclusão dos povos que habitavam as terras desbravadas, os índios. Reforçando seu importante comentário Van, beijos.

    ResponderExcluir